(47) 999 333 606
  

Dica de floral para terapeutas: Walnut

Meditando na natureza

Escrevo essas linhas pensando em todos os meus amigos e colegas terapeutas, conhecidos e desconhecidos, que bem sabem da importância de cuidarmos de nós mesmos para podermos estar bem para uma outra pessoa.

Falo por experiência própria que uma das mais perigosas “estradas para a ruína” de um terapeuta é acreditar que pode auxiliar alguém apenas a partir de técnicas aprendidas pelo intelecto, sem haver vivificado em si a experiência de equilibrar os sentimentos nas áreas mais importantes da própria vida.

Uma existência bem balanceada, em que nos sentimos centrados para lidar com os desafios que a vida não pára de nos apresentar, é uma conquista diária. Ela requer nossa atenção constante para o que se passa dentro de nós nos diferentes contextos, além de uma destreza na administração das próprias atitudes, sentimentos e pensamentos em todas as nossas relações.

Nesse último aspecto, não nos faltam conhecimentos de técnicas para lidar com as negatividades humanas. Estamos sempre prontos para compartilhar esses conhecimentos de boa vontade com aqueles que nos procuram nos seus momentos de fragilidade. Mas estaremos, pergunto, igualmente dispostos a aplicar o que sabemos em nós mesmos?

A arte do autocuidado

Uma das coisas mais legais que aprendi com a filosofia dos Florais de Bach foi o preceito do curador, “cura-te a ti mesmo” (expressão que, aliás, dá título a uma das principais obras deixadas pelo sagaz Dr. Edward Bach nos anos 1930).

A palavra “cura” é forte, e pode causar hesitação no sentido de que em uma vida ninguém é realmente capaz de eliminar todas as fontes de negatividade de dentro de si. Mas ao mesmo tempo é uma palavra linda, porque expressa o esforço de auto aperfeiçoamento que está ao alcance de todos e que pode resultar numa evolução pessoal bastante tangível.

Considerando os aspectos energéticos sutis que fluem em uma relação terapêutica, alcançar uma certa estabilidade energética pessoal é um requisito fundamental para ser um bom terapeuta. Antes de nos abrirmos como elos energéticos de cura para um outro, portanto, precisamos saber cuidar bem de nós mesmos.

É da natureza de nossa atividade a exposição exacerbada a mudanças bruscas de campo energético, pois cada caso que atendemos é um universo consciencial particular. Nosso dia a dia de trabalho pode ser uma verdadeira montanha russa energética! Por isso, é importante que consigamos estabelecer e desligar os elos que criamos com os pacientes nos momentos certos e na medida certa.

Saber equilibrar o trabalho com os momentos de descanso, lazer, família e amizade é uma arte, e muitas vezes, por força do envolvimento com a atividade terapêutica, pode ser bastante difícil conseguir fazer isso.

O autocuidado tem sempre tons bastante particulares ao temperamento individual, e por isso é importante que cada um identifique quais são as ideias, atividades, locais e pessoas que ajudam na manutenção do equilíbrio e centramento pessoal.

O Floral Walnut: proteção e constância

De todo modo, eu gostaria de compartilhar uma dica preciosa para terapeutas que aprendi na formação com os Florais de Bach. Trata-se da utilização de uma essência floral produzida a partir das flores da árvore Juglans regia, conhecida como nogueira-comum, que cresce abundantemente da Europa aos Himalaias. O seu fruto é a famosa noz com aparência de um pequeno cérebro protegido por um envoltório sólido:

meditação na natureza

O Floral Walnut é apelidado nos bastidores de “floral dos terapeutas”, dada a sua capacidade de ajudar a manter o equilíbrio pessoal mesmo em contextos de rápidas e significativas mudanças de campo energético, tais como as que acontecem nos trabalhos terapêuticos. Ele pode ser tomado da forma tradicional, em gotas, ou mesmo diluído em borrifador e espalhado em ambientes que precisem reforçar a estabilidade energética.

O Dr. Bach escreveu a respeito desta essência que ela “proporciona constância e proteção contra influências externas”. Podemos associar a própria imagem da noz dentro da casca como o núcleo precioso, a essência pessoal que fica bem protegida dentro de um envoltório forte.

Há anos tenho Walnut como uma de minhas essências favoritas, tão benéficos que foram os efeitos de constância que pude observar em mim e em outras pessoas que precisavam se resguardar em contextos de mudanças significativas em suas vidas.

Há diversas indicações para o uso de Walnut, mas ele é especialmente valioso como uma ferramenta energética de autocuidado para os terapeutas.